Bugatti Vision para Le Mans é alimentado por íons

  • gallery

  • gallery

  • gallery

  • gallery

  • gallery

  • gallery

  • gallery

  • gallery

  • gallery

  • gallery

O conceito baseado no Bugatti Vision destinado à corrida de Le Mans está previsto como o Type 35 de 2050.

A Bugatti não corre desde meados da década de 1990, quando Romano Artioli, seu ex-proprietário, construiu um EB110 para a série IMSA GT e converteu um segundo exemplo nas especificações de Le Mans.

A empresa não está planejando ativamente um retorno à pista – e não será possível ver um Chiron competir em 2020 – mas ainda abraça sua vasta herança no automobilismo, então um de seus designers mais jovens dedicou sua tese a explorar a forma que um retorno poderia ter. O conceito de Vision Le Mans, mostrado em renderizações, dá uma guinada para o futuro no Type 35.

Max Lask, um talentoso aluno que se formou recentemente na Universidade de Arte de Brunswick, na Alemanha, explicou que seu objetivo não era criar um piloto com estilo retrô. Segundo ele, isso teria sido fácil demais. Em vez disso, ele queria projetar um carro que fosse tão avançado em 2050 quanto o Type 35, quando estreou no Grande Prêmio de Lyon de 1924.

Leia também:

Há uma interpretação futurista da grade em forma de ferradura da Bugatti na frente, mas a partir desse ponto as semelhanças entre o conceito Vision Le Mans e os membros atuais da gama da montadora terminam. O resto do carro é uma obra destinada aos princípios da aerodinâmica. Cada asa, ventilação, barbatana e concha servem a um propósito específico.

Para seu projeto, Lask imaginou um trem de força que funciona com íons – e não do tipo Saturno. Parece absurdo, mas a sonda já usa propulsores de íons de xenônio e o MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) testou com sucesso um avião movido a íons, de modo que a tecnologia existe. Em sua tese, Lask defendeu que mais cedo ou mais tarde chegaria à indústria automotiva.

A Bugatti enfatizou que o conceito Vision Le Mans é um projeto único que Lask criou para concluir seu programa de design, e não é uma prévia de um próximo modelo. Enquanto a empresa francesa está enraizada nas corridas – o mencionado Type 35 obteve mais de 2.000 vitórias entre 1924 e 1930 – o Circuit de La Sarthe não está atualmente no radar da empresa.

Fonte: Autoblog